Notícias AMPRS

AMP/RS lamenta perda de Ibsen Pinheiro

Publicado em 25-01-2020



A Associação do Ministério Público do Rio Grande do Sul (AMP/RS) lamenta, com pesar, o falecimento de Ibsen Pinheiro, ocorrido na noite desta sexta-feira (24/01), e se solidariza com a família enlutada. O procurador de justiça aposentado e associado da AMP/RS prestou relevantes serviços à nação brasileira e ao Ministério Público do Brasil. O ex-deputado federal tinha 84 anos e estava internado no hospital Dom Vicente Scherer, na Santa Casa de Misericórdia, em Porto Alegre, quando teve uma parada cardiorrespiratória.  O velório está programado para ocorrer até as 16h deste sábado na Assembleia Legislativa.


Nascido em São Borja em 5 de julho de 1935, Ibsen foi presidente da Câmara dos Deputados entre 1991 e 1993. Em 1992, comandou a sessão que levou ao impeachment de Fernando Collor de Mello. Foi, ainda, presidente do PMDB do Estado, deputado estadual e vereador. Também teve atuações marcantes e inspiradoras como jornalista, advogado e dirigente do seu clube do coração, o Sport Club Internacional.

A trajetória de Ibsen começou como jornalista, trabalhando na prefeitura de Porto Alegre em 1959. Nos anos 60, atuou na Rádio Gaúcha e no jornal Zero Hora, escrevendo principalmente artigos sobre esporte. Em 1969, chegou, pela primeira vez, à vice-presidência do Internacional, em um grupo chamado "Os Mandarins", que ficou na história do clube por liderar uma era de conquistas que culminou com os títulos do Campeonato Brasileiro em 1975, 1976 e 1979.  Na década de 1970, integrou o icônico programa “Sala de Redação”, então apresentado por Cândido Norberto.

A vida parlamentar se iniciou em 1976, como vereador de Porto Alegre pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Admirado e respeitado inclusive pelos adversários pela inteligência e articulação, Ibsen destacou-se e chegou a deputado estadual em 1978 e deputado federal em 1983. Reelegeu-se em 1986, participando da construção da Constituição de 1988 e, se convertendo, nos anos seguintes como um dos mais ativos parlamentares brasileiros. Em maio de 1994, diante de denúncias relativas ao caso dos anões do Orçamento, teve o mandato cassado por 296 votos favoráveis, 139 contra e 24 abstenções, em um processo controverso. A ação criminal, entretanto, foi arquivada por falta de provas em 1995.

Ibsen se elegeu deputado federal em 2006 e, em 2009, foi relator do texto que previa uma reforma política. O texto, contudo, não foi adiante. Em 2010, relatou o projeto que previu a redistribuição dos royalties do pré-sal. Ele também assumiu como deputado estadual em 2014, cumprindo seu mandato na Assembleia Legislativa até 2018. No ano de 2016, voltou ao Internacional como vice-presidente de futebol.

A esposa dele, a jornalista Laila Pinheiro, morreu em 2013. Ibsen deixa dois filhos, a atual companheira e uma neta.