Notícias AMPRS

Escolhidos os vencedores do XX Prêmio Jornalismo Ministério Público

Publicado em 30-11-2018



A comissão julgadora da 20ª edição do Prêmio Jornalismo do Ministério Público analisou 76 trabalhos inscritos e definiu as matérias jornalísticas ganhadoras de 2018. A premiação será entregue no dia 14 de dezembro, às 9h30min, na sede institucional do MP (Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80). Os vencedores receberão quantia em dinheiro e comendas, oferecidas pela Associação do Ministério Público e Fundação Escola Superior do Ministério Público. O prêmio promovido pela Instituição tem, ainda, apoio do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do RS e da Associação Riograndense de Imprensa (ARI).

Para comemorar os 20 anos, em sintonia com as transformações da comunicação na era digital, o Prêmio Jornalismo tem algumas novidades, especialmente no que se refere às categorias, que deixaram de ser divididas por mídia (rádio, televisão, impressa, web) e passaram a ser temáticas, seguindo as áreas definidas como prioritárias na revisão do Planejamento Estratégico do MPRS. Concorreram matérias veiculadas entre os dias 15 de novembro de 2017 e 10 de outubro de 2018, em qualquer mídia, nas seguintes áreas: Segurança Pública; Sustentabilidade; Proteção Social; Defesa do Patrimônio Público; Saúde e Educação.

A categoria Reportagem Universitária foi mantida nesta edição. Estiveram aptos a concorrer estudantes de jornalismo cuja reportagem tenha sido publicada em mídias da faculdade na qual estão ou estiveram matriculados até dia 1º de novembro de 2018.

VENCEDORES NA CATEGORIA PROTEÇÃO SOCIAL
A categoria “Proteção Social” foi conquistada pela matéria “Leite Compen$ado: Como a cadeia leiteira se renovou para reconquistar o consumidor após 5 anos da operação”, de autoria do jornalista Danton José Boatini Júnior e equipe, publicada no jornal Correio do Povo. O segundo lugar ficou com a série de matérias sobre o trabalho desencadeado pelo Ministério Público para reverter a violência contra as mulheres na cidade de Vacaria, do jornalista Adriano Duarte, publicada no jornal Pioneiro.

VENCEDORES NA CATEGORIA SEGURANÇA PÚBLICA
Na categoria “Segurança Pública”, venceu a série de reportagens sobre o avanço de facções criminosas no RS, da jornalista Adriana Irion e equipe, publicada no jornal Zero Hora. A segunda colocação na categoria ficou com a reportagem “Poça de sangue no chão: o retrato de uma nação violenta”, do jornalista Juliano Tatsch e equipe, publicada no Jornal do Comércio.

VENCEDORES NA CATEGORIA SUSTENTABILIDADE
Já na categoria “Sustentabilidade”, venceu a reportagem “O que vem antes: direito à propriedade, segurança das pessoas ou direito à moradia?”, de autoria da jornalista Simone Feltes e equipe, veiculada na TVE. Em segundo lugar foi escolhida a série de reportagens sobre o embate entre especulação imobiliária e preservação ambiental, do jornalista Marcelo Chemale, do SBT.

VENCEDOR NA CATEGORIA PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO
Na categoria “Proteção do Patrimônio Público”, o primeiro lugar foi da jornalista Zete Padilha, da RBSTV, com a série de reportagens “Secretários e vereadores de Guaíba são afastados por suspeita de fraudes na saúde”. Já o segundo lugar ficou com a jornalista Adriana Irion, do jornal Zero Hora, com a série de reportagens sobre o funcionário da Carris que utilizou a identidade de uma criança morta para desviar dinheiro da companhia.

VENCEDORES NA CATEGORIA SAÚDE E EDUCAÇÃO
Na categoria “Saúde e educação”, o vencedor foi jornalista Rodrigo Nascimento, do Jornal Gazeta do Sul, de Santa Cruz do Sul, que acompanhou a internação de pessoas em casas geriátricas no município. O segundo lugar foi conquistado pela jornalista Isabella Sander com a reportagem sobre uma parceria entre MP e Ministério Público do Trabalho que proporciona bolsas de estudos pra jovens vindos de abrigos e casas-lares, veiculada na TV Justiça.

VENCEDORES NA CATEGORIA UNIVERSITÁRIA
O Prêmio Jornalismo também conta neste ano com a categoria “Reportagem Universitária” (1º e 2º lugar), dedicada a estudantes de jornalismo de universidades reconhecidas pelo Ministério da Educação. Os estudantes da Uniritter Jennyfer Siqueira, Luísa Meimes, Guilherme Klafke e Lúcia Haggstrom foram os vencedores com o documentário que aborda a realidade da Penitenciária Feminina Madre Pelletier em Porto Alegre. Já o estudante Pedro Mallmann Carrizo, também da Uniritter, recebeu o segundo lugar com reportagem sobre as casas de jogos clandestinos da Capital. Todos os estudantes vão receber certificados pela participação no Prêmio Jornalismo 2018.